No final de 2017, duas professoras da St. Nicholas School, uma escola internacional localizada em Pinheiros, entraram em contato com a IAG Júnior visando encontrar novidades que pudessem acrescentar ao currículo escolar de seus alunos. Pensando em alcançar esse resultado, a escola contratou a IAG Júnior para a realização de uma palestra e duas oficinas interativas.

Ao final do projeto, a escola esperava despertar nos seus alunos o interesse na Astronomia e na ciência como um todo, além de mostrar para os pais, o valor que a escola entregava para a formação educacional dos seus filhos.

O desafio

Tivemos 3 grandes desafios na realização deste projeto. O primeiro desafio, foi o tamanho da turma, uma vez que a palestra seria apresentada para um grupo de 100 alunos. O segundo, foi a faixa etária dos alunos, que tinham 5 e 6 anos de idade. E o terceiro, foi a língua falada pelos alunos, já que grande parte deles só falavam inglês.

A solução

Com o intuito de facilitar a assimilação dos conteúdos, a palestra e as oficinas deveriam estar relacionadas com os conteúdos que estavam sendo ministrados em sala de aula. A palestra abordou a Terra e sua interação com o Sistema Solar, enquanto as oficinas consistiram na construção de modelos do Sistema Solar, utilizando bolinhas de isopor com tamanhos diferentes, de modo que cada bolinha representava um planeta diferente.

Em razão do tamanho da turma e faixa etária dos alunos, a palestra não poderia ser inteiramente expositiva. Logo, foi necessário fazer uma palestra dinâmica e encantadora para o público, fazendo com que os mesmos estivessem presentes e participativos.

Para garantir que a palestra e as oficinas fossem bem sucedidas para todos os alunos presentes, as professoras da escola acompanharam os alunos que só falavam inglês para sanar eventuais dúvidas dos mesmos. Além disso, os slides da palestra continham uma quantidade mínima de textos, tornando-a visualmente compreensível e abrangente para todos.

O resultado

Após a realização do projeto, as professoras viram, em suas aulas, a diferença nos alunos após o projeto. Estavam mais curiosos, perguntavam mais. Tornaram-se pequenos cientistas. Uma das professoras fez o seguinte depoimento: “Entender a realidade da escola e apresentar um conteúdo personalizado foi essencial para o sucesso do projeto!”.

Por fim, a avaliação das professoras teve uma média 9 na pesquisa de satisfação do cliente. Como aspectos determinantes para o sucesso do projeto, foram citados a clareza com que foi explicado, os visuais utilizados e a confiabilidade da informação científica.

Nesta segunda-feira, dia 11, ocorrerá o Trânsito de Mercúrio. O evento vem sendo amplamente divulgado nos meios de comunicação gerando muitas expectativas para cientistas, astrônomos amadores e curiosos da natureza. Mas, você sabe o que significa? A gente explica!

Ler mais

Você já se perguntou qual é a diferença entre meteoros, meteoritos, asteroides e cometas? Apesar da quantidade de nomenclaturas, muitos acreditam que esses são diferentes nomes para coisas iguais. Mas não são. Cada um desses objetos têm características distintas e podem ter composição química diferente, sendo que os nomes podem ainda variar dependendo da localização espacial dos corpos. Vamos mostrar aqui quais as principais diferenças entre eles. Ler mais

A Astrobiologia é a ciência que estuda a origem da vida na Terra, sua evolução, distribuição, futuro e busca entender como a vida pode ocorrer em ambientes diferentes da vida terrestre como conhecemos, em outras palavras, ela busca compreender origens de formas de vida que podem habitar diferentes lugares do universo.

É uma ciência emergente e em grande discussão na sociedade científica. Afinal, estamos mesmo sozinhos no Universo?

Ler mais

Afinal, o que são buracos negros?

Ao contrário do que diz a cultura popular, os buracos negros não são corpos que vagam pelo espaço aspirando todos os objetos que atravessam o seu caminho. Este cenário, muito improvável, só ocorre quando objetos chegam perto o bastante do buraco negro e atravessam o horizonte de eventos, região a partir da qual nem a luz é capaz de escapar. Além disso, os buracos negros obedecem às leis da gravitação da mesma forma que qualquer outro corpo que contém massa, o que torna encontros com esses objetos bastante raros.  Ler mais

A divulgação científica é feita desde tempos imemoriais, com uma forte concentração em meios acadêmicos e de pequena vinculação para poucos, porém atualmente este tema tem sido objeto de discussões acaloradas conforme os meios de comunicação foram ficando mais rápidos, acessíveis e diversos. 

Ler mais

Uma empresa júnior (EJ) é uma associação sem fins lucrativos constituída e gerida exclusivamente por alunos de graduação sob orientação de professores da instituição de ensino superior. Também é independente de outras organizações estudantis, como o Centro Acadêmico e a Associação Atlética Acadêmica.

Ler mais

Passaram-se 50 anos desde que o homem conseguiu chegar até a Lua. Considerado um dos maiores feitos da história aeroespacial, a missão tripulada Apollo 11 consagrou o início da trajetória pela conquista do espaço e provou que o homem é mesmo capaz de transformar um pequeno passo em um grande salto para a humanidade.

Ler mais

Hoje, dia 2 de julho de 2019, ocorrerá um dos fenômenos astronômicos mais raros de se observar em um mesmo local. O último eclipse solar total ocorreu na região dos Estados Unidos em 21 de agosto de 2017, chamado de “O Grande Eclipse Solar Americano”, e a última vez que o mesmo fenômeno foi observado por lá foi apenas em 1880! Fazendo com que a média de ocorrência de um eclipse solar em um mesmo local específico seja de aproximadamente 1 vez a cada 300 anos.

Ler mais

Já imaginou ver o céu estrelado e tão perfeitamente iluminado como na foto acima? É assim que ele aparece em determinados locais do planeta, e todos esses locais possuem algumas características em comum: baixa luminosidade, altas altitudes e clima predominantemente com pouca umidade.

A iluminação das cidades e até mesmo a poluição do local são fatores que dificultam a visão do céu genuinamente estrelado. O crescente aumento da população mundial e o crescimento das cidades fez com que a busca por locais perfeitos para a observação noturna aumentasse. A poluição luminosa transformou em raridade algumas observações que antes eram corriqueiras para as civilizações passadas, a observação de um dos braços da Via Láctea, por exemplo.

Com o objetivo de apreciar o céu noturno em toda sua glória, o Astroturismo vem se intensificado nos últimos anos, despertando a curiosidade das pessoas que enxergam o céu apenas como uma imensa escuridão acima das grandes cidades. Abaixo, vamos listar alguns dos lugares do mundo onde ainda é possível observar o céu muito além do que enxergamos nas cidades: Ler mais

As galáxias são corpos que aparecem no céu como manchas difusas, compostas basicamente por estrelas, gás interestelar e matéria escura. Outros corpos como os planetas, cometas e a poeira correspondem a uma fração muito pequena da massa total das galáxias. Ler mais

É comum professores da educação básica terem dificuldade em administrar seu tempo devido à quantidade de atividades que lhes é designada. Por essa razão, a necessidade de se atualizar acaba ficando em segundo plano, o que é um problema a partir do momento que suas aulas tornam-se monótonas e não há inovação de conteúdo.

Ler mais